segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Irmão Walfrid e a criação do Celtic





Fachada do estádio do Celtic, com banners do Irmão Walfrid - Foto: Ir. Alan Hargan


Todos os clubes de futebol, sejam os mais antigos ou mais novos, tem uma história de como foram criados e fundados. O Celtic Football Club não foge a regra, mas tem uma fundação diferenciada, foi fundado por um religioso, o irmão Marista Walfrid Kerins.

Para sabermos mais sobre a história do criador do Celtic, o irmão Walfrid Kerins, registrado Andrew Kerins, fomos atrás, além de informações na própria internet, de falar com os irmãos maristas, que tem arquivos falando da vida e obra do irmão Walfrid. 

Nascido na Irlanda em 1840, filho de John Kerins e Elizabeth Flinn, ele iniciou a vida religiosa aos 24 anos. A instituição Marista é focada na educação, portanto o irmão Kerins começou a lecionar aulas em 1865 e chegou a ser diretor de uma escola em Glasgow. Nessa última escola que surgiu o projeto que deu origem ao Celtic. 

Na escola e na paróquia local, o irmão Walfrid criou o "The Poor Children's Dinner Table", que era um projeto para acolher imigrantes irlandeses católicos que vinham para a Escócia e tinham poucas condições financeiras. Não era fácil arrecadar verbas para manter os projetos de caridade dos irmãos maristas e é nessa história que entra o futebol. Em uma partida de um time local, o Hibernian and Clyde, foram arrecadadas 50 libras para a caridade. Os irmãos, vendo que seria uma boa ideia para arrecadar dinheiro aos mais necessitados, decidiram criar um time sob a orientação do irmão Kerins. 

Em seis de novembro de 1887, foi criado o Celtic Football and Athletic Club. Alguns irmãos e idealizadores queriam que o nome do time fosse Glasgow Hibernian, mas o nome acabou vencido pelo Celtic. O time então concretizava a missão de arrecadar fundos para ajudar a comunidade local, nos projetos dos irmãos e da igreja. No documento de fundação da equipe dizia:

"O objetivo principal do clube é fornecer às conferências da região leste de St Vincent de Paul com fundos para a manutenção das "mesas de jantar" dos nossos filhos necessitados, nas missões de Santa Maria, do Sagrado Coração e de São Miguel". 


Time do Celtic em 1888


 Além de organizar partidas beneficentes do Celtic, o irmão Walfrid ajudou a criar equipes novas, que duraram por pouco tempo, além de amistosos entre times existentes, como o Dundee Harp, o Clyde e o Renton. Foram criados pequenos campeonatos, inclusive com entrega de taça ao vencedor, além de uma organização de regras gerais para os jogos. Ele chegou a criar um time para seus ex-alunos, o Columba, que jogava num parque alugado pelo próprio religioso. 

Cinco anos após a fundação do clube, o irmão Walfrid Kerins se mudou para a Inglaterra, em Londres, para seguir os trabalhos como religioso marista. Lá ele ainda seguiu com projetos, mas sem tanta intensidade. A região em que ele trabalhou, inclusive, foi a em que Jack, o Estripador, aterrorizou a população local anos antes. Em 1912, já doente, ele foi levado para a Escócia novamente, onde em Dumfries acabou falecendo aos 74 anos. 

Antes de se mudar para a Inglaterra, Walfrid viu o time ganhar seus primeiros títulos, como a Copa da Escócia e a copa do Nordeste escocês. No quarto ano de fundação, o time ganhou a Copa da Escócia com 40 mil torcedores presentes diante do Queens Park.  O primeiro jogo oficial do clube, inclusive, foi contra o grande rival, o Rangers, vencido por 5 a 2. 

Ir. Emili Turu, superior geral dos maristas, na frente da estátua do Ir. Walfrid Kerins, no estádio do Celtic -
Foto: Ir. Alan Hargan



Um clube de glórias

O Celtic tem uma história muito rica também dentro de campo. Para começo, o time teve o mesmo treinador por incríveis 43 anos, o irlandês Willie Maley. Ele ganhou 16 títulos escoceses entre 1897 e 1940 e 14 Copas da Escócia. Outro grande treinador da equipe foi Jock Stein, que levou 10 títulos escoceses, nove Copas da Escócia, seis Copas da Liga e o principal título da história do time, a Copa dos Campeões da Europa de 1966/67, nossa atual Liga dos Campeões. Todos os jogadores do time campeão europeu foram formados na divisão de base do Celtic.

Willie Maley
Jock Stein

O Celtic detém alguns números impressionantes:

Ficou 62 jogos sem perder, 49 vitórias e 13 empates, entre novembro de 1915 e abril de 1917. A equipe ficou 77 jogos sem perder em casa no Campeonato Escocês, entre 2001 e 2004. Nesse período, venceu 25 jogos seguidos. O time tem a maior vitória em final de copa nacional, 7 a 1 sobre o Rangers. O maior artilheiro da história do time é James McGrory, com 468 (outras fontes dizem 398) gols feitos pelo clube. E o time detém o maior público em competições europeias, 136.505 torcedores diante do Leeds em 1970, e de maior público de um time europeu na história, na final da Copa da Escócia de 1937, com impressionantes 146.433 presentes para o jogo contra o Aberdeen. 
O Celtic soma 47 campeonatos escoceses, 36 Copas da Escócia e 16 Copas da Liga. 

Agradecemos aos irmãos maristas pela grande ajuda no texto. O nosso contato brasileiro irmão João do Prado, o irmão Colin Chalmers e o irmão irlandês Alan Hargan, o qual nos passou dados preciosos do Marista sobre o Irmão Walfrid e do livro "The Celtic Story", escrito pelo irmão marista Clare. 

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

NFL 2016/17 - Prévia das semi-finais de conferência





Por Artur Lira e João Zimmer Xavier

A NFL, com a chegada dos playoffs, se afunila cada vez mais. Depois do wild card os embates começam a ficar mais explosivos nas semi-finais de conferência, por isso cada jogo merece a sua atenção especial. 

Seattle Seahawks x Atlanta Falcons (Georgia Dome, Atlanta) 19h35 – Sábado

Foto: Jim Bryant / UPI
Os Seahawks saem dos seus domínios para enfrentar os Atlanta Falcons no Georgia Dome. A equipe de Atlanta não é tão dominante assim em casa (5-3), mas a equipe de Seattle se sente muito desconfortável fora de casa (3-4-1). A equipe de Seattle vai ter muita dificuldade em lidar com um dos ataques mais fulminantes da liga. Matt Ryan e seu circo aéreo possuem a maior média de pontos por jogo 33,8 e ainda têm a terceira maior marca de jardas aéreas. Além disso, os Falcons ainda têm a quinta maior marca da liga em jardas correndo com a bola. Os Seahawks para ganhar essa partida precisam dominar nos special teams, manter um jogo corrido razoável contra a defesa meia-boca de Atlanta e segurar uma pontuação curta nos primeiros quartos para jogarem especulando com o nervosismo dos donos da casa que não jogam uma partida de playoffs desde 2012. 

New England Patriots x Houston Texans (Gillette Stadium, Foxboro) 23h15 - Sábado

Foto: Elsa/Getty Images
Treino de luxo para os Patriots em Foxboro. A defesa de Houston, uma das melhores da liga (a número 1 da liga em jardas cedidas por jogo), vai ter dificuldades em não deixar Tom Brady engrenar nos passes. Aliás, muito se fala do ataque de New England, mas pouco se fala que os Patriots tem a menor marca de pontos recebidos por jogo (uma média de 15,6). A possibilidade de um massacre de New England é muito grande nesse confronto mesmo em dia bom dos Texans. 


Kansas City Chiefs x Pittsburgh Steelers (Arrowhead Stadium, Kansas City) 16h05 – Domingo

Foto: Tom Puskar
Um jogo equilibrado, sem dúvida. Se de um lado Kansas City tem uma defesa ajeitada que cede muitas jardas, mas que é muito estável na red zone, do outro temos Pittsburgh e seu ataque dinâmico com Big Ben, Antonio Brown e Le’veon Bell que vem crescendo nas últimas partidas. Bell em grande fase vai enfrentar uma defesa que cede cerca de 120 jardas terrestres por partida, uma grande oportunidade para os Steelers controlarem o cronômetro. Pelo outro lado, Kansas tem a oportunidade de estabelecer o seu pragmatismo com Alex Smith, que vai enfrentar uma defesa muito física e provocativa e por isso vai precisar muito do jogo atlético de Travis Kelce. 


Dallas Cowboys x Green Bay Packers (AT&T Stadium, Arlington) – 19h40 – Domingo

Foto: Jeffrey Phelps
Talvez o jogo mais difícil para palpitar o resultado. Dois dos ataques mais explosivos entram em campo em Arlington para decidir quem vai para a final da Conferência Nacional. As duas franquias com histórias muito ricas possuem ataques um tanto distintos. De um lado Dak Prescott, o calouro que colocou Tony Romo no banco, tem a companhia do faminto Ezequiel Elliot. Elliot será de fundamental importância para manter Aaron Rodgers na sideline. Dallas vem dominando a liga por toda a temporada, no entanto Green Bay, que não terá Jordy Nelson, conta com Rodgers em uma versão iluminada contra uma defesa mais frágil do que a que enfrentou no wild card. 


Chutômetro do Lira

Atlanta por 14 pontos
New England por 24 pontos
Pitsburgh por 10 pontos
Green Bay por 4 pontos

Chutômetro do Xavier

Falcons ganha por 6 pontos
Patriots ganha por 21 pontos
Chiefs ganha por 3 pontos
Packers ganha por 4 pontos

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Becoming Zlatan





Um dos grandes atacantes da atualidade, o sempre sincero Ibrahimovic, foi e continua sendo uma atração dentro e fora de campo. Para entender melhor as origens futebolísticas e um pouco dessa personalidade forte do jogador sueco, foi produzido o documentário Becoming Zlatan, dos diretores Fredrik e Magnus Gertten. 

A produção conta a história do craque sueco, no começo pelo Malmo, a passagem pelo PSV e ao final a chegada na Juventus. Com imagens raras e muitas falas gravadas em vídeo do jogador, é mostrado o começo complicado do jovem atacante na Suécia. Tendo personalidade e temperamento forte, o jogador era facilmente provocado pelos adversários e perdia a cabeça em muitas partidas. 

Os companheiros de time e treinadores que trabalharam com ele afirmaram que ele se achava grande, mas não conseguia provar tudo o que era em campo. Aos poucos, ele foi ganhando espaço no Malmo e se tornando o grande jogador da equipe, que quando chegou caiu para a segunda divisão e ele ajudou a reerguer. Ele se tornou o ídolo do time, mas ao mesmo tempo um inimigo mortal das torcidas rivais, pelo comportamento provocador e às vezes agressivo e por ter acabado e desmoralizado com muitas defesas em seus gols. 

Ao mesmo tempo que a história da passagem pela Suécia é contada, já ocorre um pulo para o período em que Zlatan jogou no Ajax, da Holanda. Comprado por nove milhões de euros, ele era a esperança de gols e precisava justificar a contratação mais cara do time até então. Após um ano apagado e por muito tempo na reserva, ele deslanchou e virou o camisa nove que o time sempre havia sonhado. Novamente, quando explodiu em uma equipe, foi contratado por outra. Foi para a Juventus, onde ali já era um grande jogador e com uma cabeça mais no lugar, suportando a pressão e já justificando todo o investimento feito pelos italianos. 

Além de saber mais sobre a carreira desse grande camisa nove, é interessante ver tantas filmagens e arquivos de vídeo que foram feitos sobre o jogador, mesmo ainda no começo da carreira do craque, quando era uma promessa no Malmo. Muitos ex-companheiros, ex-treinadores e dirigentes também falaram sobre vários acontecimentos importantes e que mudaram a carreira de Ibra ao longo dos seis anos entre a estreia no Malmo e a ida para a Juventus. 

Confira o trailer do documentário abaixo:




O documentário está disponível no Netflix

domingo, 8 de janeiro de 2017

Se a Copa já tivesse 48 seleções para 2018






O sonho da Copa para mais seleções - Foto: AFP


Nesse domingo, foi anunciado que a Copa do Mundo, a partir de 2026, terá a participação de 48 seleções, contra 32 que participam desde 1998. Com a mudança, a América do Sul terá 6 vagas + 1 na repescagem, a África 9 + 1, Ásia 8 + 1, Europa 16, Oceania 1 vaguinha e América Central e do Norte 6 + 1.  Seguindo essas regras e a classificação atual das eliminatórias para a Copa de 2018, colocamos as seleções que estariam classificadas no formato novo. Confira abaixo:


América do Sul:



Com o formato novo, das 10 seleções sul-americanas que disputam as eliminatórias, 6 teriam vaga garantida, Assim, Brasil, Uruguai, Equador, Chile, Argentina e Colômbia estariam classificados no momento, enquanto o Paraguai disputaria a repescagem. Apenas Peru, Bolívia e Venezuela ficariam de fora. Restam seis jogos até o fim das eliminatórias sul-americanas. Todas as seleções que se classificariam já disputaram a Copa do Mundo alguma vez.

América Central e do Norte:



Na Concacaf, todas as seleções classificadas para o hexagonal final, que classificará três seleções, no novo modo estariam na Copa. Costa Rica, México, Panamá, Honduras, Trinidad e Tobago e Estados Unidos. A Guatemala, eliminada na fase anterior, como melhor terceira colocada no geral, estaria na repescagem. Faltam ainda oito jogos a serem disputados pelas seleções até o fim das eliminatórias da Concacaf. Panamá e Guatemala, que disputaria a repescagem, nunca disputaram uma Copa. 

Oceania:

Na Oceania, ao invés de a seleção vencedora das eliminatórias disputar uma repescagem, agora terá a vaga garantida na Copa. A eliminatória por lá ainda não chegou ao final, mas a favoritíssima e que foi a vencedora nas últimas vezes foi a Nova Zelândia.

Ásia:

Na Ásia, oito seleções poderão ter o privilégio de disputar a Copa do Mundo. Das 12 seleções que estão na fase final das eliminatórias, apenas quatro ficariam de fora. Estariam classificadas: Irã, Coréia do Sul, Uzbequistão, Síria, Arábia Saudita, Japão, Emirados Árabes e Austrália. O Catar ainda estaria disputando a repescagem. Ainda restam quatro jogos para o fim das eliminatórias asiáticas. Uzbequistão, Síria, Emirados Árabes e Catar (vai disputar em 2022) nunca jogaram a Copa. 

África:


No continente africano, teremos nove seleções participantes do mundial em 2026. Das 20 seleções do continente na fase final das eliminatórias, quase metade estaria classificada. República Democrática do Congo, Nigéria, Costa do Marfim, Burkina Faso, Egito, Tunísia, Camarões, África do Sul e Uganda. O Gabão estaria na repescagem por ser o pior segundo colocado de todos os grupos. Restam quatro jogos até o fim das eliminatórias africanas. Rep. Dem. do Congo, Burkina Faso, Uganda e Gabão nunca jogaram uma Copa do Mundo. 

Europa:


No continente europeu, nada menos que 16 seleções vão poder disputar a Copa em 2026, que é o mesmo número que disputava a Eurocopa até 2012. Suíça, Alemanha, Irlanda, Polônia, Inglaterra, Espanha, Bélgica, Croácia, Holanda, Portugal, Irlanda do Norte, Sérvia, Montenegro, Eslovênia, Itália, Grécia e Ucrânia teriam suas vagas. Faltam seis jogos para o fim das eliminatórias europeias. Das 16 seleções, apenas Montenegro não disputou a Copa ainda, sem contar quando Sérvia e Montenegro ainda eram um país só, e quando o país fazia parte da Iugoslávia e União Soviética. 




Fica a nossa observação que, provavelmente, ou certamente, o formato de classificação das federações que fazem mata-mata ou grupos reduzidos nas eliminatórias será alterado.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...